"> Mitsubishi 20 anos de fábrica e relevância no Brasil no off road.
água X terra

Mitsubishi 20 anos de fábrica no Brasil

Mitsubishi 20 anos

Vinte anos. De inovação, de qualidade em cada lançamento. Essa é a marca da Mitsubishi Motors que, há 27 anos, se encontra em terras brasileiras, mas há duas décadas se instalou no interior de Goiás.

Mitsubishi 20 anos, com 14.000 m2 em 1998, planta de Catalão (GO) produzia a primeira L200 em solo nacional; hoje a fábrica tem tecnologia de ponta, um dos mais modernos sistemas de pintura do País e conta com mais de 247.000 m2 de área construída.

 

Vinte anos. De inovação, de qualidade em cada lançamento. Essa é a marca da Mitsubishi Motors que, há 27 anos, se encontra em terras brasileiras, mas há duas décadas se instalou no interior de Goiás.

Com DNA 4×4, a Mitsubishi comemora essa conquista com muito orgulho de cada passo dado. O primeiro deles foi a construção da fábrica, em Catalão, conforme indica Robert Rittscher, diretor de operações da empresa.

A construção da fábrica foi uma conquista e tanto para a época e que marcou muito a história da nossa empresa. Com ela, superamos vários desafios e estamos preparados para o futuro

Assista a nova campanha Drive Your Ambition
https://youtu.be/agXSPCqzwKM

Benefícios mútuos

Tendo produzido mais de meio milhão de veículos em solo nacional, a Mitsubishi foi muito bem acolhida pela população catalana. Em compensação, trouxe progresso para a cidade.

A cidade de Catalão e o Estado de Goiás nos acolheram e essa parceria foi um grande sucesso. Chegamos, muito bem recebidos aliás, em um município de 50 mil habitantes – que hoje já beira os 100 mil. Aquecemos a economia da região e propiciamos empregos, renda e carreiras para profissionais que realmente fazem a diferença.

Se a cidade expandiu, o mesmo se pode dizer da Mitsubishi.  Se quando produziu sua primeira picape, a L200, a fábrica possuía uma área de 14.000m2, hoje são mais 247.000m2. Ou seja, em 20 anos, ela aumentou em 1764% o tamanho de sua área.

Hoje a fábrica possui uma infraestrutura completa para a produção. Solda (chassi e carroceria), tratamento anticorrosivo, pintura tri-coat, fábrica de motores, linha de montagem, inspeção final e envio, todos os procedimentos são feios em Catalão. E isso é um diferencial enorme para a empresa, segundo o diretor industrial Fernando Matarazzo.

Fazemos a inspeção e testes reais de rodagem em 100% dos veículos que são fabricados. Isso que garante a fidelidade dos produtos à qualidade requerida.

Além disso, a empresa se destaca pela versatilidade na fabricação de seus veículos. Com uma capacidade de montar até 30 diferentes versões de veículos simultaneamente, a Mitsubishi está pronta para entregar o que há de melhor para os amantes do 4×4.

Crescimento planejado

Para crescer, é preciso estar preparado. E planejamento é fundamental para isso. E a Mitsubishi não foge a essa regra. Durante esses 20 anos, a fábrica passou por dois grandes planos de investimentos. Foram eles os  responsáveis pela ampliação da capacidade produtiva e na produção de novos produtos.

O primeiro deles foi em 2000. O Projeto Anhanguera I . Foram gastos 100 milhões de dólares. Nessa fase surgiram modelos de sucesso da marca: o Pajero Sport, Pajero Sport Flex,  L200 Triton  e L200 Triton Flex.

O segundo projeto, o Anhanguera II, de 2010, foi mais ousado. Seu objetivo era produzir quatro novos produtos. O orçamento se multiplicou por 11. Foi gasto R$1,1 bilhão nessa fase em que se aumentou de 100.000m2 (2009) para 247.000m2.

Com o novo projeto, surgiram o Pajero Dakar, o ASX e o Lancer Sedan.

Mitsubishi 20 anos: força também para a economia goiana

A força da Mitsubishi não está apenas em seus carros potentes. Preparada para todas as etapas do processo de produção, a empresa hoje é uma das forças da economia de Catalão. São mais de 2.000 empregos diretos e 500 indiretos, sendo a maioria (93%) provenientes do próprio município. 

Emprego, renda e desenvolvimento para a cidade. Tudo isso deve ser celebrado nesses 20 anos de empresa. E, como lembra Rittscher, essa conquista é coletiva.

Cada trabalhador que pisou nessa planta e se dedicou emprestando sua força de trabalho, conhecimento e habilidade deve comemorar esse marco, finaliza.

Adicionar Comentário